TRABALHO PRISIONAL E REMIÇÃO FICTA

PRISIONAL WORK AND FICTIONAL REMISSION

  • Flávia Chaves Nascimento Brandão Penna PUC Minas

Resumo

A pessoa encarcerada vê-se submetida a diversas limitações, impostas pela sentença condenatória, às quais deve-se submeter, pois que legalmente previstas pelo Estado sancionador. Entretanto, no Estado de Direito brasileiro, necessário que se resguardem os demais direitos, não atingidos pela pena. Um destes é o direito ao trabalho, garantido pela Constituição, Tratados Internacionais e pela Lei de Execução Penal. A questão posta em estudo possui significativa relevância, diante da frequente inexistência de oferta de trabalho aos presos, o que lhes impede de gozar deste direito, bem como de benefícios dele advindos, como é o caso da remição da pena. Diante desta situação, verifica-se, neste breve artigo, a possibilidade de concessão da chamada “remição ficta”, que reduz o tempo de cumprimento da pena privativa de liberdade, independentemente do exercício efetivo do trabalho, quando o ócio se dá por culpa do Estado.

Publicado
2019-06-30
Como Citar
PENNA, Flávia Chaves Nascimento Brandão. TRABALHO PRISIONAL E REMIÇÃO FICTA. DELICTAE: Revista de Estudos Interdisciplinares sobre o Delito, [S.l.], v. 4, n. 6, p. 179-231, jun. 2019. ISSN 2526-5180. Disponível em: <http://delictae.com.br/index.php/revista/article/view/95>. Acesso em: 13 nov. 2019. doi: https://doi.org/10.24861/2526-5180.v4i6.95.